para ti

gostava que o mundo residisse apenas no corpo
num gesto do cabelo
do cheiro
sentar-me no abismo do mundo
contigo
e contemplar o vazio
antes de nos jogarmos
sobre a imensidão do nada

gostava tanto
de ser a curvatura do sorriso
os sonhos da infância
ser a tua infância
sentar-me no abismo do mundo
contigo
e gritar o nome das coisas
antes de nos jogarmos
sobre a imensidão do nada

tanto gostava
de ser o lábio com que suportas o peso das palavras
o alento que aquece o corpo sentado à beira do abismo do mundo
contigo ser
a flor que sustentas atrás da orelha
sobre a imensidão do nada

gostava tanto de ser
nada
o nada que se esvazia
por nunca ousar tocar sequer no poema
que aos poucos liquidifica
à medida que o corpo colhe o leito
até caber nele
e preencher de vazio toda a imensidão do nada

Carlos Vaz

1 comentário

Mensagens populares