e, realmente, não há peixe...

como já é sabido, a escritora brasileira Lygia Fagundes Telles recebeu ontem o prémio Camões. Há noite, no programa A Revolta dos Pastéis de Nata, o grande Fernando Dacosta deixava a história que ouvira de Lygia Fagundes Telles (deixo-me sempre levar pelas histórias), segundo ele, a autora passeava - já não sei bem por onde - e deparou-se com uns pescadores. Alguém lhe disse que realmente aquela vida era dura... as pessoas viviam mal devido à falta de peixe...
depois Fernando Dacosta comparou a história com o problema do autor português, o problema da falta de peixe...
e, realmente, não há peixe para o autor português. Mas parece... repito, parece-me que há peixe, muito peixe para os autores estrangeiros, uma substancial parte, de literatura duvidosa... e que vêem a sua obra nas livrarias portuguesas
Nunca me farto de falar, aqui, neste nosso espaço, sobre uma excelente autora de cores e de "experiências pensadas", Isabel Ferreira Alves:
Isabel, não há peixe, teremos nós de o procurar noutras águas?

Visite o novo site da autora:
http://www.isabelferreiraalves.no.sapo.pt
4 comentários

Mensagens populares