Textos Mais Lidos

Outras Casas

Frase

Em breve...

Seguir por Email

Textualinos

Pesquisar neste blogue

Comentários

Recent Comments Widget for Blogger With Avatar For Blogger by Beautiful Blogger Widgets

 

 

+

 

manchas

na foto, Pollock
leio manchas como um diálogo entre duas subjectividades do próprio texto. A do observado e a do que observa, a do criticado e a do que critica, e por aí fora se quiséssemos continuar. Ao nível estrutural, manchas apresenta-se na forma de um diálogo entre o Luís e uma Leitora que se afigura como uma imagem interrogativa que vem do próprio quotidiano, uma imagem de alteridade que é o eco consumado do próprio texto, no exterior do espaço do blog.
A Leitora critica, observa, interroga, agita e propõe. Luís responde, acrescenta, argumenta, etc. Por vezes a Leitora não está, outras encontra-se com o texto fora do texto, num outro que se adianta, transformando-se numa pergunta quase retórica, porque a resposta advém de algures, de uma mancha anterior (por isso a necessidade de recuarmos alguns dos textos para vermos o ponto da situação antes do eco ter o seu espaço através da Leitora).
Para finalizar, os textos ou histórias deste blog, não passam disso, de um aglomerado de manchas: mancha-diálogo; mancha-quotidiano; mancha-música; mancha-filme; mancha-crítica; mancha-leitura…
Aqui, todos os dias…

0 comentários:

 

Um milhão de visitas

Este blog foi fundado em 13/01/05. Ao longo destes 8 anos passou um milhão de olhares pelos artigos e frases que aqui diariamente coloco. Já foi alvo de referência de vários órgãos de comunicação social, bem como de centenas de blogs e sites que visito ainda hoje com algum afecto. A todos um muito obrigado.

Contacto

vaz.correio@gmail.com