tenho um enorme carinho por Braga, cidade onde estudei e passei os melhores anos. De cada cantinho tenho uma pequena história para contar. Penso, por razões óbvias, que a “terra de estudante” ficará para sempre nas nossas vidas. Tentei mesmo lá viver e procurei possíveis moradas, onde pudesse residir para o resto dos meus dias. Contudo, se a vida de folia foi sem dúvida bem marcante, a vida cultural como bracarense foi praticamente nula. Nada havia de cultura que realmente valesse, a não ser uma ou outra actividade de galerias, universidades, ou da livraria 100ª página. Assim, não fiquei surpreendido, quando a "Bracara Augusta" perdeu a corrida com a sua "rival" mais directa, a cidade de Guimarães, na tão cobiçada "Capital da Cultura".
No entanto, eis que Braga parece ter ressurgido das cinzas, auto proclamando-se como “PERMANENTE CAPITAL DA CULTURA”. Por vezes é necessário um balde de água fria para acordarmos da letargia, não é verdade?
Há quem comente, até, existir uma vontade da Câmara para mudar as coisas há muito estacionadas. Tomemos, como exemplo, o dia 27 de Outubro onde será reaberto o Theatro Circo de Braga, que se encontrava em obras de reabilitação desde 2000.
Esperar para ver
2 comentários

Mensagens populares