Textos Mais Lidos

Outras Casas

Frase

Em breve...

Seguir por Email

Textualinos

Pesquisar neste blogue

Comentários

Recent Comments Widget for Blogger With Avatar For Blogger by Beautiful Blogger Widgets

 

 

+

 

ALGUMAS LIVRARIAS SÃO NECROTÉRIOS

livrarias, cemitérios ou jardins?
ainda há meses vos falava da falta de espaço dado às obras de autores portugueses, nas ditas "livrarias de massa". De um modo geral, os funcionários que trabalham nas livrarias de grandes superfícies, como a Bertrand ou a Fnac, etc., vendem os livros como mera cosmética, por isso não vêem os autores portugueses como um bom investimento, atribuindo-lhes espaços medíocres e dando pouco visibilidade à literatura contemporânea do nosso país.

Como se não bastasse, na maioria dos casos, nos escaparates atribuídos aos autores portugueses, encontramos, geralmente, todos os autores lusófonos; aos nacionais, apenas se dá ênfase aos escritores ditos mais mediáticos.

Nestas livrarias de grandes superfícies, depressa são despejados, dos escaparates para o armazém, autores de enorme referência, como Vergílio Ferreira, que parece estar cada vez mais esquecido. Como se não bastasse há, nalgumas livrarias portuguesas - como em tudo - a cultura literária do necrotério, um autor falecido é lhe imediato dado um espaço de protagonismo mórbido. Como nestes últimos anos, infelizmente, muitos dos grandes autores faleceram, os escaparates do cantinho dedicado à literatura portuguesa edificaram autênticos cemitérios: Mário Cesariny, Eugénio de Andrade, Fiama Hasse P. Brandão; Sophia M. B. Andresen, Luís Pacheco… e mais recentemente a minha querida Maria Gabriela Llansol. Ainda há algumas semanas, encontrar um livro de Llansol, numa "livraria de massa", era quase impossível e a visibilidade dada a autora era rara ou inexistente. Bastou a autora falecer e os escaparates foram ao baú, enchendo-se de títulos de obras como epitáfios , e dos livros fizeram as lápides de uma literatura que não morreu e nunca morrerá, encontrando-se cada vez mais viva entre os seus leitores.

Resta-nos, felizmente, um escape, as livrarias das esquinas, das ruas, das paixões que ainda existem, e que são muitas, são essas que frequento, criando amizades e cumplicidades com os verdadeiros promotores das obras portuguesas. Nessas livrarias, não há necrotério, mas sim a apologia da vida, dos autores vivos (mesmo alguns terem já falecido, não sei se me entendem). Os funcionários dessas livrarias, que recomendo, são gente séria, verdadeiros apaixonados, que não gostam de passear por cemitérios, mas por jardins de língua portuguesa. Para esta gente, um muito obrigado

2 comentários:

 

Um milhão de visitas

Este blog foi fundado em 13/01/05. Ao longo destes 8 anos passou um milhão de olhares pelos artigos e frases que aqui diariamente coloco. Já foi alvo de referência de vários órgãos de comunicação social, bem como de centenas de blogs e sites que visito ainda hoje com algum afecto. A todos um muito obrigado.

Contacto

vaz.correio@gmail.com